PESQUISAR NO BLOG

Carregando...

26/12/10

DICAS BASICAS DE CRIAÇÃO DE AVES


Obviamente, não se pretende aqui fazer uma preleção aos galistas adiantados que, justamente por usarem tecnologias modernas como chocadeiras e criadeiras, rotinas de vacinação e manejo correto além de manterem uma higiene impecável em suas instalações, estão perfeitamente entrosados com os modernos métodos de avicultura. Mesmo porque as diferenças entre as condições econômicas muitas vezes determinam o futuro de um plantel.
O importante não é criar em quantidade mas com qualidade e respeito a seus "criolinhos". Se não se puder possuir 2.000 galos em ótimas condições, procuremos ter apenas o número  a que possamos realmente dispensar os melhores cuidados possíveis.
 
Existem fundamentos que são indispensáveis em qualquer criação:
 
 Excelência dos REPRODUTORES: sem um banco genético de primeira linha fica difícil o sucesso, principalmente quando se trata de raças esportivas, cuja pureza de sangue é fundamental. Nem sempre é necessário adquirir-se um campeão. O importante é ser  a procedência de criadores idôneos e que têm participação ativas em exposições de alto nível . Devem apresentar saúde em perfeito estado e reconhecida "fibra".
 HIGIENE: Um dos fatores mais importantes a começar pelos ninhos das galinhas que estão chocando . Não aproveite ninhos velhos e sempre faça uma desinfecção geral após cada chocada. É comum não se notar os "carrapatinhos" no ninho porque êles vivem entre as penas da galinha e as penugens dos pintinhos. Quando  são notados em movimento pelo ninho ou poleiros é porque o negócio já saiu de controle! Já virou praga de difícil controle e de efeitos devastadores. Apesar de existirem muitos produtos para controle e erradicação desses parasitas (butametrina, deltametrina,etc) é bem melhor prevenir, evitando-se assim o "stress" das aves e do criador!
As fezes e a umidade produzem amônia que intoxica as aves. Não deixe nunca acumular porque também quando fermentam, geram calor e chocam ovos de parasitas que estão sempre à espreita além do que são focos ideais para proliferação de micro organismos patogênicos.
 
VACINAÇÃO: O ideal é vacinar as ninhadas nos primeiros 7 dias contra a BOUBA e DOENÇA DE NEWCASTLE que são as mais comuns em nosso meio Existem vacinas para outras doenças como MAREK, CORIZA, ENCEFALITE, CÓLERA, mas nem sempre são encontradas nas doses para pequenos criadores. Com exceção da Doença de MAREK, as outras podem ser evitadas com higiene e quarentena dos novos hóspedes e "viajantes".
 
 ALIMENTAÇÃO:Fator importantíssimo: Aves combatentes descendem do  "Archeopterix"cujo bico era provido de dentes o que demonstra serem carnívoros os ancestrais de nossos galos, daí não podermos esquecer o fator protéico das rações. Existem várias marcas no mercado para pintos (INICIAL), mas devemos complementar com grãos , cereais, sementes e verduras. Uma boa opção de proteína é o ôvo cozido misturado à ração inicial. Opções de sementes e grãos: trigo, centeio, alpiste, aveia sem casca, etc... Verduras: couve ou almeirão picados bem fininho.
A ÁGUA deve ser trocada diàriamente ou quando apresentar qualquer sujidade. Podemos acrescentar à água o VITAGOLD que é muito bom. Com estas poucas providências você verá os pintinhos se desenvolverem como futuros campeões nas exposições!!
 
 CALOR: Nos primeiros 15dias o calor é importantíssimo. Se a galinha mãe for daquelas irrequietas, providencie uma lâmpada na criadeira (60W). O ideal é manter os pintos presos pelo menos 21 dias que é o tempo das vacinas agirem e criarem os anticorpos.* DICA: após os 15 dias, lixe as pontas dos biquinhos porque êles não vão avisar quando vão se "estranhar"e se estiverem com os bicos cegos o estrago é bem menor e contornável.

 
 ESPAÇO: Lògicamente, quanto mais espaço eles puderem ter a partir de 30 dias de vida melhor. Antes de soltá-los para andar é bom repetir as vacinas por precaução. Aos 45 dias é bom colocar um vermífugo na água  para prevenir infestações, principalmente se o ambiente for de terra e vegetação. Normalmente, passada aquela fase dos 15 aos 30 dias êles esquecem um pouco as brigas e se ocupam mais das novidades do terreiro mas não confie: dia de chuva fique alerta! Êles se molham e não se reconhecem e aí o pau quebra mesmo. Se não tiver quem separe é prejuízo na certa. PIQUETES: se tiver espaço disponível, separe os machos das fêmeas pois elas provocam a maioria das brigas nessa fase e também fica mais fácil para administrar uma alimentação mais adequada aos futuros campeões.
Normalmente, os frangos vão para as suas instalações individuais após atingirem a maturidade sexual, por volta dos 6 a 7 meses e então os cuidados passam a ser individualizados. Após prendê-los, faça uma vermifugação com piperazina (PROVERM) ou MEBENDAZOL . Não esqueça que espaço é fundamental: êles podem dormir em lugares pequenos mas precisam se exercitar todos os dias como todo atleta, por isso bons passeadores são indispensáveis. Evite o frio e principalmente correntezas de ar que trazem como consequências a CORIZA e a DRC.


 INCUBAÇÃO DE OVOS
 Selecção dos ovos
O peso dos ovos varia entre 30 e 70 gramas, em função da raça. Os melhores resultados são obtidos com os ovos de tamanho normal de boas poedeiras. Dado que a maior parte das características do ovo é hereditária, uma selecção apropriada dos ovos terá como resultado a criação de melhores galinhas.
É evidente que o ovo a incubar deverá ter sido fecundado. Em virtude de não existir qualquer método seguro que garanta que um ovo fresco foi (ou não) fecundado, importa criar um galo fértil com as galinhas capaz, por si só, de fecundar várias galinhas. Conseguem-se resultados óptimos com um galo por cada dez galinhas. Após o acasalamento, as galinhas põem ovos fecundados durante pelo menos 8 dias. Se se tratar de galinhas de raça pesada, dever-se-á reduzir o número de galinhas por cada galo.
Se não criar um galo entre as galinhas, deverá introduzi-lo no galinheiro 2 semanas antes de começar a colher os ovos para a incubação,para se certificar da produção de ovos fecundados. Vigie igualmente o período de postura das galinhas. Os melhores ovos são aqueles produzidosentre o segundo e oitavo meses da postura. Optimizará os seus resultados de incubação se seguir escrupulosamente as indicações acima mencionadas.
Nunca utilizar ovos malformados! O conteúdo de um ovo mal formado (demasiado alongado, demasiado curto ou irregular) enferma, tambémele, de malformações.
A qualidade da casca é importante. Se a mesma estiver rachada, o ovodesidrata-se durante a incubação, dando assim origem a pintos frágeisou nados-mortos.
Para limitar os riscos, utilize os ovos de várias galinhas e não de uma só.

 Limpeza dos ovos para incubação
A casca de ovo é porosa: deixa passar o ar, a água, as sujidades e asbactérias. Evitam-se riscos de doenças escolhendo ovos limpos. Limpam-se os ovos ligeiramente sujos com um pano seco e limpo. De forma alguma se deve usar ovos muito sujos, bem como lavá-los com água: esta abre os poros da casca e enfraquece os resultados da incubação.

 Conservação dos ovos para incubação
Utilize de preferência ovos frescos; contudo, em caso de necessidade, os ovos devem ser conservados em lugar fresco. Conservam-se perfeitamente durante 3 dias à temperatura de 20 °C. Os ovos destinados à incubação devem ser apanhados 2 vezes por dia e arrefecidos quanto antes: este facto reveste-se da maior importância durante os períodos de calor. A humidade relativa ideal para a conservação dos ovos para incubação situa-se entre 70 e 85%. A formação de bolores nos ovos indica uma humidade demasiado elevada. Em caso algum deverá utilizar ovos com bolor para a incubação!

 Resumo do tratamento a aplicar aos ovos
para incubação
 Apanhar os ovos para incubação 2 vezes por dia;
 Seleccionar os melhores ovos tendo em conta a raça de galinha desejada, o tamanho dos ovos, a sua forma, o seu estado de limpeza e a estrutura da sua casca;
 Não utilizar ovos que não sejam frescos. Se quiser proceder à incubação de muitos ovos em simultâneo, poderá utilizar ovos postos durante os 14 dias anteriores, desde que tenham sido conservados a uma temperatura entre os 10 e 16 °C;
 Limpe os ovos sujos com um pano seco;
 Antes de serem introduzidos na incubadora, os ovos conservados a uma temperatura entre os 10 e 16° °C devem ser colocados durante 12 horas num local onde a temperatura se situa entre os 21 e 25 °C.

 A incubação natural: a galinha


 Selecção da galinha
Seleccione uma galinha que manifeste a necessidade de chocar. O comportamento desta é característico:
 Emite um som específico;a crista fica enrugada;recolhe-se no ninho e não o deixa; tenta juntar os ovos dos ninhos vizinhos a fim de os trazer para junto dela.
Aguarde que este comportamento se prolongue por dois dias para ter a certeza de que a galinha está pronta para o choco. A galinha choca deve gozar de boa saúde e não pode ser demasiado pequena.
Os parágrafos que seguem fornecem algumas sugestões para optimizar as condições de incubação.

 Preparativos para a incubação natural (pela
galinha)
Polvilhe a galinha seleccionada com um insecticida contra as pulgas e piolhos. Escolha um insecticida eficaz (fluoreto de sódio ou outros desparasitantes). Estes produtos devem ser manipulados com prudência: utilizados em grandes quantidades, tornam-se perigosos para as galinhas e para o homem! (consulte o seu veterinário).
Se as pulgas e os piolhos levantarem problemas de maior, polvilhe novamente dez dias após o primeiro tratamento. Coloque a galinha numa incubadora limpa (ver o parágrafo seguinte). No início, ela choca de forma irregular até ter de seis a doze ovos no ninho. Quando ela começar a chocar regularmente, retire os ovos e substitua-os por ovos seleccionados para a incubação previamente marcados a lápis. Os ovos que se retiraram do ninho serão utilizados para a alimentação dos animais. Pode-se cozê-los e misturá-los aos alimentos normais das galinhas. O número de ovos a colocar debaixo da galinha depende do tamanho desta e da temperatura nocturna. Uma galinha grande com uma boa plumagem poderá cobrir até 14 ovos; no entanto, uma galinha local mais pequena não será capaz de cobrir mais de 8 ovos.

Substituição da galinha pela pata
A pata oferece uma alternativa natural para o choco dos ovos de galinha.
Contudo, evidencia menos do que a galinha a sua vontade de
chocar e, a partir do momento em que se instala no ninho, a sua relutância em deixá-lo é ainda maior.

A incubadora (NINHO)
A incubadora deve medir aproximadamente 35 × 35 cm de fundo e 40 cm de altura. O ninho em si terá um diâmetro de 25 cm. A galinha recolhe-se mais facilmente no seu ninho se a incubadora estiver protegida contra a luz (coberta por um pano, por exemplo). Porém, deve poder deixar o ninho para ir em busca de alimentos.
Limpe cuidadosamente a incubadora e seque-a ao sol. Introduza um pouco de palha, feno ou folhas secas. Aconchegue a cama em forma de ninho para impedir que os ovos resvalem. Um punhado de folhas de tabaco secas e esmagadas servirá de insecticida para afastar os parasitas (a nicotina é um insecticida!). As incubadoras devem distar umas das outras de um metro para evitar, por exemplo, querelas entre


 Cuidados a dispensar durante a incubação
A galinha choca deixa o ninho uma vez por dia para beber, comer e desentorpecer. Não é necessária uma alimentação especial. Coloque o comedouro junto da incubadora e, se a galinha não quiser deixar o ninho,tire-a de lá com cuidado e leve-a para junto da comida. A galinha não deve deixar o ninho para além de, aproximadamente, 15 minutos.
Ela levanta-se com frequência para mudar de posição e virar os ovos.
Os ovos devem mudar de posição: o melhor sítio e o mais quente é o do meio. Examine os ovos após nove dias de choco.
Se os pintos têm dificuldade em sair, é provável que a humidade seja demasiado baixa. Neste caso, estenda por baixo da rede da incubadora alguns terrões e humedeça-os regularmente.


O exame dos ovos
O exame dos ovos permite detectar os ovos estéreis e os embriões mortos. O exame dos ovos é uma operação utilíssima durante a incubação pois permite verificar se o desenvolvimento do pinto está a processar-se a contento.
No caso de desenvolvimento anormal, retire o ovo antes que liberte gases prejudiciais. Procure a causa de tal desenvolvimento .Um primeiro exame deve ser efectuado no nono dia da incubação. Só poderá fazê-lo uns dias antes se tiver prática suficiente e confiança em si .Retire os ovos estéreis ou contendo embriões mortos.
Um segundo exame deve ser efectuado após 14 a 18 dias de incuba-ção. Desta vez, retire todos os ovos contendo embriões mortos e controle a regulação da humidade.
A partir do décimo oitavo dia, deixe de examinar os ovos para não perturbar os pintos no ovo. Como a saída da casca é uma experiência muito cansativa, os pintos devem gozar de tranquilidade nos últimosdias.
 

OVOSCOPIO: Aparelho de fabrico artesanal par examinar ovos .

 Desenvolvimento do embrião

A criação artificial dos pintos
Para sobreviver, os pintos recém-nascidos carecem de uma fonte de calor que os aqueça quando a temperatura do seu corpo diminui. Eles podem passear e suportar temperaturas baixas mas se tiverem frio precisam de se aquecer. Em condições normais, é a mãe galinha que lhes fornece o calor indispensável. É capaz de tratar do dobro de pintos que ela própria chocou; mas isto só na condição de lhe terem sido entregues muito pequenos e nunca mais de um dia após o nascimento dos seus. Se o tempo não estiver muito frio, uma galinha pode cuidar de cerca de quinze pintos. Os pintos que passam frio não morrem imediatamente mas desenvolvem antes disso perturbações digestivas (diarreias) durante uma semana.
Temperaturas recomendadas.
Idade em semana             Temperaturas em °C (rente ao chão)
0-1                                              32-30
1-2                                              30-28
2-3                                              28-25
3-4                                              25-22
4-5                                              22-20
5-6                                              20-18
Os pintos com um dia começam a andar rapidamente em busca de alimentos. Necessitam de alimentos de boa qualidade, melhores ainda do que os da galinha. Se fizer bom tempo e se o local estiver protegido contra os inimigos (ratos, pássaros grandes, cães), dê-lhes acesso a um pouco de verdura em complemento da sua ração normal de concentrado.
No caso de incubação artificial, o calor é-lhes fornecido por uma lâmpada de infravermelhos (ou pintada de vermelho), ou por um candeeiro de petróleo, de gás ou por um queimador de farelo de arroz. A criadeira de cartão é feita com uma lâmpada de infravermelhos e uma parede que reduz as perdas de calor. As paredes são feitas de cartão simples. A lâmpada é coberta por um chapéu cónico que dirige o calor para cima dos pintos. Durante a primeira semana, a lâmpada é colocada 10 cm acima do solo. A temperatura ao nível dos pintos
deve rondar os 32 °C (controle necessário). Suba a lâmpada 5 cm por semana pois, ao crescer, os pintos vão precisando cada vez menos de calor.
Uma criadeira de cartão nescessita:  lâmpada de infravermelho,
 garrafa de água,  parede da criadeira,  rede para pintos.
O fundo é constituído por uma rede para pintos colocada a cerca de 5 cm acima do solo. Os excrementos atravessam a rede mantendo assim o fundo limpo. Porém, durante as 2 ou 3 primeiras semanas, cubra a rede com jornal para cortar as correntes de ar e o frio que vem de baixo.
Mude o jornal todos os dias. Para 30 pintos, o fundo da criadeira deverá medir, pelo menos, 60 × 60 cm. A lâmpada (ou candeeiro) deve estar suspensa no centro da incubadora para aquecer toda a área. Durante as 2 primeiras semanas, os cantos permanecem com frequência frios. Coloque aí alguns tijolos que retirará após 2 semanas. Uma outra solução é a construção de um anel de criação para pintos.
Nos primeiros dias, a temperatura ideal para os pintos é de 32 °C (medida à altura dos pintos, isto é, 5 cm acima do solo). Ao crescerem, os pintos ficam mais bem protegidos pelas penas e a temperatura pode então baixar. Após duas semanas, os pintos devem dispor de uma saída.
Após quatro semanas, desligue o aquecimento artificial se a temperatura exterior ultrapassar os 20 °C durante o dia. No entanto, convém deixar a lâmpada acesa durante as noites frias. O bem-estar dos pintos vê-se no seu comportamento: Aproximam-se da fonte de calor ou afastam-
se dela.
As normas gerais que proporcionam o bom desenvolvimento inicial dos pintos são as seguintes:
Limpe cuidadosamente a criadeira com um desinfectante eficaz antes de colocar os pintos;
Conserve a criadeira em lugar seco e evite as correntes de ar durante a criação;
 Durante a primeira semana, forre o fundo da criadeira com um jornal e mude-o todos os dias;
 Depois disso, faça uma cama limpa e seca (serradura, areia seca) de 2 cm de espessura no início. Todos os dias, vá acrescentando material seco e fresco até atingir 7 cm de espessura. É igualmente possí- vel utilizar rede para pintos;
 Durante os primeiros dias, alimente os pintos com grão espalhado no jornal.

A criação artificial dos pintos 
 A partir do terceiro dia, dê-lhes verdura segada finamente.
 A partir do terceiro dia, comece a dar-lhes alimentos para pintos (pasta).
 Dê-lhes a pasta em pequenas quantidades, 3 a 4 vezes por dia. Este processo estimula a alimentação, proporciona um crescimento mais uniforme e desperdiça menos comida. No final do dia, convém deixar um pouco de alimentos no comedouro.
 Tenha sempre o cuidado de lhes fornecer constantemente água fresca.
Quando as doenças ocorrem (coccidiose, vermes, etc.), junte-lhe
o medicamento adequado (consulte o seu veterinário).
 Instale uma quantidade suficiente de comedouros e de bebedouros para que todos os pintos possam comer em simultâneo.
 Limpe cuidadosamente a criadeira e o espaço circundante. Lave diariamente os comedouros e os bebedouros.
Quando existirem muitos piolhos, ácaros e pulgas, vaporize o espaço que circunda a criadeira com um desinfectante eficaz (consulte o seu veterinário).
 Vire a cama uma vez por semana. Verifique o estado da cama sobretudo à volta dos bebedouros. Vire-a frequentemente para evitar que se forme crosta.

9 Incubação dos ovos de outras
aves
A incubação dos ovos de outras aves de capoeira não é exactamente idêntica à dos ovos de galinha.
Para a maior parte dos ovos de pata, o nascimento dá-se após 28 dias e, para algumas espécies, mais tarde ainda. Estando estes mais sujos do que os de galinha, devem ser limpos quanto antes, de preferência a seco. As condições de conservação são as mesmas que para os ovos de galinha. Uma galinha choca pode chocar praticamente tantos ovos de pata quanto os de galinha. Se a galinha não tiver acesso directo à água, borrife os ovos de pata com água tépida (temperatura da mão) diariamente
do décimo quinto ao vigésimo quarto dia bem como no último
dia da incubação
A temperatura ideal para a incubação artificial é de 38 °C. Durante os primeiros 24 dias, a humidade relativa deve ser de 70% (termómetro  húmido 31 °C). Durante a incubação, a humidade deve chegar a 80%.
O volteio diário dos ovos deve ter lugar até ao vigésimo sexto dia.
Dia       Temperatura  °C     (HR) % T. humido  volteio
1-24           38                            70        32                 5
24-26         38                            60         31                5
26-28         37,5                        80         32,6              0
   
               
  
    
A perua
A eclosão dos ovos de perua dá-se igualmente após 28 dias. Os ovos de tamanho médio dão melhores resultados de incubação do que osgrandes.
Os ovos de perua desenvolvem-se mais depressa durante a sua conservação do que os ovos de galinha. Não os conserve durante muito tempo e recolha-os mais amiúde, por exemplo de três em três horas.
Nem todas as peruas são boas para o choco. Examine a perua choca,sobretudo durante a última das 4 semanas de incubação. A perua choca entre 15 a 18 ovos ao passo que a galinha não choca mais que 8 a 10 ovos de perua.

Dia      Temperatura °C   HR%  T.H °C       Volteio diário
1-24       39,0                 60       31                  5 
24-28      37,5               75        33                  0
  

 A codorniz
Os ovos de codorniz para incubação não devem ter mais de 5 dias de postura . É necessário virá-los 7 vezes por dia. O período de incubação dura 18 dias. A temperatura ideal é de 37,7 °C. Após o décimo sétimo dia, ahumidade relativa pode atingir o teor altíssimo de 90% (termómetro
húmido 34 °C). Até este dia, o teor de humidade apropriado é de 60%.

A pintada ou .galinha-de-Angola.
O período de incubação dos ovos de pintada dura 28 dias. Os métodos de incubação são os mesmos que os utilizados para os ovos de pata.

 Possíveis perturbações e sua
prevenção

Perturbação 1:
Demasiados ovos não fecundados ou estéreis, nem
desenvolvimento nem anéis sanguíneos.
Causa provável Prevenção
Demasiadas galinhas para cada galo. a Utilize 1 galo para 10 galinhas.
Subalimentação dos machos. Alimente os galos à parte.
 Ingerência ou querelas de machos durante
o acasalamento.
 Não forme grandes bandos necessitando
muitos machos; crie juntos os galos
destinados à reprodução.
Esterilidade, doença ou problemas nas
patas do macho; o macho só quer acasalar
com determinadas galinhas.
Troque de macho.
 Machos demasiado velhos. e Troque de macho.
 Ovos demasiado velhos; conservados
ou transportados em más condições.
 Não utilize ovos com mais de uma semana

Perturbação 2:
Ovos não fecundados com desenvolvimento precoce apresentando,quando aberto, um anel sanguíneo ou um pequeno embrião morto.
Causa provável Prevenção
a Temperatura de incubadora demasiado
alta ou demasiado baixa.
 Controle o termómetro e o termóstato;
 Ovos conservados muito frios. b Não conserve os ovos em lugar demasiado frio ou sujeito a correntes de ar.
 Como 1.f. c Como 1.f.
 Animais criados em condições não adequadas.
 Não faça a incubação de ovos provenientes de galinhas doentes.
 Perturbação 3:
Muitos ovos contendo pintos mortos.
Causa provável Prevenção
 Temperatura não apropriada.
 Volteio incorrecto dos ovos. Vire os ovos suavemente e com a periodicidade
Morte dos pintos em finais da segunda
semana provavelmente devida a uma
má alimentação dos progenitores.
 Dê-lhes uma alimentação adequada;
cuide do suplemento em vitamina A, B2
e B12.
 Ventilação insuficiente.  Abra mais alguns furos.

Perturbação 4:
Pintos bem desenvolvidos mas não se dá a eclosão porque são incapazes de partir a casca.
Causa provável Prevenção
  volteio incorrecto. .
 Humidade relativa não adequada.
Ar demasiado seco: câmara de ar
demasiado grande.
Ar demasiado húmido: câmara de ar
demasiado pequena.
Utilize um bom termómetro húmido.
Acrescente alguns recipientes de
água ou vaporize com mais frequência.
Retire alguns recipientes de água.

Perturbação 5:
Os pintos partem a casca mas não conseguem sair do ovo.
Causa provável Prevenção:
Ar demasiado seco. a Controle as temperaturas do termómetro húmido; introduza um recipiente de água
ou um pano húmido.
 Desenvolvimento tardio dos pintos
Subida da temperatura demasiado acentuada
embora de curta duração.
Controle o termóstato e a lâmpada de
aquecimento.

Perturbação 6:
Pintos pegajosos; a casca está colada ao pinto recémnascido.
Causa provável Prevenção
 Ovos desidratados. a Se a humidade for baixa, controle as temperaturas do termómetro húmido.
 Humidade demasiado baixa durante a
eclosão.
Aumente a humidade durante a eclosão
até 70-80% (temperatura do termómetro
húmido superior a 32 °C) mas não antes;
mantenha a incubadora fechada durante
a eclosão.

Perturbação 7:
Pintos fracos.
Causa provável Prevenção
Incubadora sobreaquecida. a Controle o termómetro.

Perturbação 8:
Pintos pequenos.
Causa provável Prevenção
 Ovos demasiado pequenos postos a
incubar.
 Ponha a incubar apenas ovos de tamanho
médio.
 Escassez de humidade.

Perturbação 9:
Pintos fracos com mau cheiro. Morte frequente.
Causa provável Prevenção
Onfalite ou infecção do umbigo.Limpe e desinfecte cuidadosamente a incubadora bem como todo o material utilizado.

Perturbação 10:

Eclosão irregular.
Causa provável Prevenção
Ovos conservados em períodos diferentes.
Não utilize ovos com mais de 1 semana. Ovos de tamanhos muito diversos. b Coloque os ovos grandes mais cedo um dia e meio.
 Mudanças de temperatura durante a
incubação.Temperatura mais elevada no centro do
que nas beiras.
 Melhore o isolamento da incubadora.

Perturbação 11:

Pintos titubeantes.
Causa provável Prevenção
O fundo dos tabuleiros de incubação é
demasiado macio.
 Cubra o solo com um material mais
duro.